segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A minha história com o meu melhor amigo

Era a noite quando minha mãe ligou para o meu pai para nós nos encontrarmos em tal shopping. Devia ter meus oito anos. Entrei no carro e fiquei fazendo mil perguntas a mim mesma.
Sabia qual era o motivo do encontro. Sabia que estaria prestes a ganhar um cachorro de estimação *-*
Queria saber como ele era, quantos meses tinha, qual era a sua raça e todas as outras perguntar que poderíamos imaginar.

Chegamos lá, e minha mãe estava enfrente ao pet shop. Havia dois cachorrinhos iguais. Branquinhos, branquinhos. Pareciam duas bolas de algodão. Um era todo agitado, alegre; o outro, era mais tranquilo, parecia estar com sono.
Fiquei brincando com os dois, mas só podia escolher um. Foi um aperto enorme. Depois de muita demora, decidi escolher o agitado, já que também era uma pilha, precisava de mais algum amigo para descarregar as minha energias. Seu nome era Fred :)


E foi um sonho! Cuidava dele como um filho, passeava com ele, brincava, dava comida. Só que com o tempo essa atenção foi diminuindo, eu não cuidava tanto dele, e nem ele ligava para mim.

Estava estudando tanto, saia tanto que não tinha tempo para dar voltas no quarteirão para o pobre cachorro fazer o que precisava.
Pensava assim, dessa forma cruel. E nunca me tocava a dona que estava sendo. A péssima dona.

Demorou para a ficha cair. Não assisti Marley & Eu - mas bem que gostaria - porém assisti o final de um outro filme Meu cachorro Skip.
Eu tinha uma prova de que era a pior dona/amiga do mundo. Chorava, chorava. Nunca tinha percebido o quão ele, o Fred, tinha sido leal a mim, e eu nunca o recompensei. Uma traição e tanto. Chorei tudo o que tinha para chorar. Não sei como fui capaz de ter o tratado assim, sem amor.

Só que ainda tem tempo para eu fazer o que eu não fiz. Aliás, ele tem seis anos, e creio que ainda exista um tempo para eu amar o que eu não amei.
Vou aproveitá-lo ao máximo, passear, brincar, alimentar, e até mesmo conversar. E nos voltaremos a ser melhores amigos de verdade.
Porque eu sei, que quando ele se for, uma parte de mim vai junto com ele.


Só esclarecendo, eu não batia nele nem nada. PELAMOR! Eu apenas não dava carinho e nem passeava; quem bate em cachorro é covarde.

16 comentários:

Fernanda Alves disse...

ai que fofo
seu cachorrinho...
hoje não tenho nenhum cachorro
mas me lembro de uns que tive
e com certeza eles são nossos melhores amigos
estão conosco sempre
nos dando companhia,felicidade e a tranquilidade que precisamos=)

Tiago Cervo disse...

Muito legal o seu relato... já tive alguns cachorros e eles davam bastante trabalho, é assim mesmo, como filhos pequenos.. haha

Grande abraço

http://ccdodia.blogspot.com/

Monique Lôbo disse...

Ah Thaís que lindo o seu Fred! A coisa mais fofa, parece uma bolinha de algodão!!
Eles nos dedicam um amor tão imenso que as vezes nos esquecemos de retribuir a altura, mas vc está certa, tempo é o que não falta para que você aproveite a companhia desse seu grande amigo!!!

Adorei o Fred!!
Bjus em vc e no Fred!!!

Mayana Carvalho.♥ disse...

Meu deus que coisa mais lindaaa!
ainda bem que você perebeu a tempo todo o seu erro ;D

Beijos

Ana disse...

Historias assim geralmente terminam quando a pessoa perde o companheiro, aí começa a dar valor. Ainda bem que esse não foi o caso!

Feliz 2009 pra você e pro Fred :)

Upside Down disse...

uhuaeu Bacaaana Teu blog, textos beem chamativos com argumentos estruturados, curti.
Bom, você é mulher né.. uaheuea
Dá uma olhada lá.
www.machismoeducativo.rg3.net

pedro dias disse...

Agradeça àqueles que já perderam o companheiro e ensinaram os outros ( gente como eu e você ) a dar valor antes de perder.

Carolina P. disse...

own que lindo tha.
eu também tenho meu mini-zoo (3 cachorros e 1 chinchilla) e às vezes também penso nisso sabe?
hm, não sei mais o que dizer, haha.
mas te amo muito, é.

Camila :) disse...

aain que lindinhuu cachorro *.*
sabeee tadinhu neh amoore UHAHUAHU, maas antes dele um dia partir, aproveitee elee viu?

bejoos

melk jus disse...

hum... cachorros nao sao a minha.prefiro animais maiores... tipo um bom guzerá,nelor ou gir...rsrsrrs....atualmente com minha falta de tempo nem um tamagushi posso ter....

tem post novo no blog.

http://hellboynews.blogspot.com/

Jessica Berdych Laviere disse...

Aiii que fofo seu cachorro!
Eu sou louca por um Husky,mas no condomínio onde moro não posso criar um...então minha amiguinha é uma Hamster "Biju",e adoro cuidar dela...que bom que percebeu a tempo.

Bjos

Bárbara Fróis disse...

Aii que lindo, eu sempre quis ter um fiel escudeiro assim, mas eu nunca tive tempo. Mas eu ainda vou ter um bem lindo! Hehehe
Bejos

Carininhááh disse...

Seu cachorrinho é muito fofo!!
Tbm vivi um história parecida, só q pena q a minha cachorra se foi antes de eu voltar a dá mais atenção pra ela....tive ela 7 anos sa minha vida..pena q agora ela já se foi.
Continue tento bastante sucesso com seu blog

By:Carine

Capreta disse...

Ei Thais, nunca tive cachorro, meus pais nao curtem. Sempre tive piriquitos e hamisters. Olha quando cada um partia eu sofria demais. Hoje que moro sozinha tenho medo de ter um cachorro e não conseguir segurar a onda quando ele partir! :^)

Beeeijos!

Isabelle.C. disse...

ja tive um cachorro...tive que dar quando me mudei.
assim que puder terei outro. quero ir num lugar cheio e ver qual vem pra correndo pra cima de mim.
ao sonho!
beeijo!

Caroline Ribeiro disse...

Ah, não é que voce não tenha dado amor.. só não deu muita atenção.

Eu nunca tive animais de estimação. Já tentei ter peixes. Devo ter tido uns quatro. Todos morreram seguidamente. E já tentei ter também um cãozinho. Dei nome, comprei ração, caminha.. mas só consegui ficar com ele durante uma noite. Ele chorou a noite toda e ficava puxando o meu lençol. Definitivamnte não tenho paciência para cuidar de bichinhos. Mas é aquela velha história.. do bichinho do vizinho eu até que gosto. rsrs

Beijão.