quinta-feira, 12 de março de 2009

Piscina do clube

Nunca pensei que algum dia, aquele clube isolado, onde nunca ia um amigo se quer, me traria alguma coisa boa.

Quase todas as tardes ia para lá, sozinha mesmo, entrava na piscina e me perdia no meu próprio mundo. Esquecia de todos os problemas, até mesmo da droga do clube em que eu estava.
Era sempre assim, após ver o pôr do Sol, saía, tomava meu banho e voltava para casa escutando alguma música. Dessa tranquilidade não podia reclamar. Claro que não era sempre assim, sem generalizar, mas isso nem é tão importante agora.

Na metade do ano passado, quase chegando o maravilhoso mês de julho, notei alguma coisa diferente no clube. Uma energia diferente, parecia ter alguma coisa nova. Depois de procurar e não achar o que tinha de novo lá, desencanei e fui para a piscina. E a novidade estava lá, de sunga, touca e óculos mergulhando na água. E não era os meus amigos velhinhos que eu estava acostumada a ver. Era bronzeado; não era o Juca. Era magro; o Mário que não podia ser.
Cautelosamente entrei na piscina, mas dessa vez não entrei no meu mundo e sim no mundo daquele ser que me prendeu.

Uma hora depois, ele parou. Finalmente.
Olhou para mim. Fiquei quieta, e fingi não tê-lo visto. Mas na verdade vi, e notei o quão ele era lindo.
Cada vez mais perto soltou um tímido 'Oi'. Era para mim? Era.
Respondi, com medo, com verginha, com um embrulho no estômago.
E por incrível que pareça a conversa foi acontecendo, e quando eu percebi, o pôr do Sol já estava saindo. Pulei da piscina, me despedi, meio desajeitada, e fui embora.

O nome dele era João, um nome comum por sinal. Mas sinceramente, eu adoro esse nome tão lindo, tão forte.
É, eu estava ficando muito estranha. Não o tirava da minha cabeça, a gente sempre conversava. Eu estava apaixonada. E não sabia o que fazer.

Depois de muito tempo, me senti obrigada a contar a ele o que sentia. E ele disse o mesmo.
Pois é, tínhamos tudo para ser felizes, até que informaram que o clube iria ser fechado.
Mas como? Só porque eu tinha encontrado o amor da minha vida naquele clube, ia fechá-lo. Não podia.

Até que a gente teve uma idéia. Começamos a chamar atenção de todos para ir lá, e saber o quanto era bom.
Cuidamos de lá como a nossa casa.

Se passaram dois meses e o clube ainda estava à venda.
Fomos falar com o dono, estavam quase fechando. Mesmo com novos sócios.
Não teve jeito. Mas claro, tentamos, tentamos até conseguirmos. E conseguimos.
Mais pessoas entraram e muitas delas ajudavam a cuidar dele.

Uma felicidade enorme entrou dentro de mim, ao saber que o clube, que eu pensava ser o pior lugar do mundo, era hoje, para mim, o melhor lugar da minha vida.

10 comentários:

Pâmella Ferrari disse...

magina linda! eu sou meio doida mesmo... UAHUAHAUAHAUAH vou acompanhar o seu tb. Beijão lindona.

Nathália Monte ;D disse...

eii isso eh serio?tu tas com ele(joão)?carambaa q lindoO
;*

Thiago L. disse...

Uaaau que coisa linda *-*
Fiquei sem palavras :x
muito bonito...

Amanda disse...

Liindo o textoo, eu ameii !!

Aah eu amo vestidos tbem, sou tudo de bom !!
Beiijos,

A n i n h a a disse...

cara
amei, simples!!
ahsuhaushuas
achei muito fofo *-*

beiijos

Helen Marie disse...

Que bonito, Thaís!!!
Abraços,
Helen

maria laura ( a má ! ) disse...

que texto lindo *-* é de verdade mesmo a história ? Muito muito cute ! :D Eu tenho várias histórias no clube daqui também ! :X já conheci um namorado no clube também ! *-*

beijão :*

maria laura ( a má ! ) disse...

ah, e valeu por me linkar *--*
fique contente ! ^^

beeijos queriida ! :*

kellen valeska disse...

Oie...

Nossa q linda essa história,e verdadeira?!^^
Acho q todos nós estamos curiosos para saber,hehe

Muito legal!

bjo;)

Anônimo disse...

Meu Deus , que texto BELÍSSIMO . Menina , criatividade absurda , adorei .
Sucesso quando se tornar escritora .

P.S: EU AMO ESCREVER TBM. Beijos ;*


Ln