domingo, 28 de fevereiro de 2010

Nada se compara

Aquele não era o por-do-sol mais bonito que os dois já tinham visto, mas de alguma maneira a presença de ambos tornava aquele momento inesquecível. Sem nenhuma palavra dita, eles sabia o que queriam dizer; eles sabiam o que estavam sentindo. Nada se comparava àquilo.

Em meio ao silêncio e aos últimos raios de Sol já saindo, seus olhares se cruzaram e foi ali que sentiram aquela paixão arder, arder como o Sol arde a cada dia. Não restava mais dúvida alguma, os dois se amam como nunca amaram ninguém. E a partir daquele momento eles tiveram a certeza que se não tivessem juntos, não seriam um só; seriam apenas uma metade qualquer.

♫: Clocks - Coldplay

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Encalhada?

Discreta, divertida, inteligente e bonita. Era assim que as pessoas as descreviam. Anne não era a mais popular do seu colégio, mas também não era aquela looser; falando a verdade, ela odiava esses rótulos, uma coisa tão fútil de se fazer, ficar classificando as pessoas por aí.

Mas o que Anne não sabia, e nem mesmo imaginava, era que tinha muitos admiradores. Sem saber, ela chamava atenção com seus cabelos desajeitados que tanto odiava; quando começava a falar, todos escutavam; quando ela sorria, as pessoas ficavam encantadas. Anne era única. Pena não saber de tamanho potencial.
Talvez, por ser bem conservadora - uma coisa um tanto madura para uma menina de 16 anos - ela nunca tivera um amor. Amor daqueles de fazer loucuras, de pensar o tempo todo nele, um amor que ninguém poderia destruir. Era por isso que suas amigas a chamavam de encalhada. E como ela odiava isso.

- Pela milésima vez! Eu não sou encalhada.
- Imagina... Eu sou!
- Não mesmo... Faz só, hm, só...
- Um ano que não fica com ninguém? - e riram todas as suas amigas
- Ah, me deixem em paz, ok?

Elas nunca tinha muita fé nessas histórias melodramáticas de amor, com o mesmo final feliz; mas não era por isso que desacreditava em grandes paixões e quem sabe até mesmo encontrar a sua ''metade''.
Anne era diferente. Não estava desesperada por um companheiro, não ficava horas lendo matérias de revistas como ''Não pague mico no 1º encontro!'', ''Saiba se ele é o cara certo'' e '' O colírio do ano: Como conquistar esse gato!''. Ela tinha tanta coisa a viver, tinha mais prioridades e com certeza um namorado não era uma delas. As amigas dela achavam tudo isso tão careta.



O tempo passou e mais um ano estava acabando, a vida continuava a mesma com suas amigas cassoando dela e ela nem aí. Sempre a mesma coisa, nada muito diferente.

As aulas haviam terminado e para comemorar Anne e suas amigas decidiram sair, andar um pouco pelas ruas com aquele cheiro de chuva que elas amavam, dar risada e se entupir de chocolates e daqueles deliciosos tubinhos cítricos.
E foi naquela noite tão normal que o impossível aconteceu. Anne, finalmente, encontrou o seu amor. Ele estava do outro lado da loja quando seus olhares se cruzaram; os olhos deles brilharam e os dela mais ainda. Até que depois de alguns minutos Anne conseguiu sair do lugar e se aproximou. Ele se levantou e quando ela chegou na sua frente ele deu-lhe uma lambida no rosto. Ela o pegou no colo e dois começaram a brincar como velhos amigos no meio da loja.

- Amor a primeira vista! - disse toda animada para suas amigas.
- Que louca!
- Uma eterna encalhada.

E suas amigas saíram deixando-a sozinha com o seu novo melhor amigo, com a sua... Cara metade? É, pode ser.

Gente, desculpa a minha ausência por tanto tempo! Estou estudando que nem uma condenada e daqui pra frente vai começar a ser assim! Bom, só espero que vocês não me abandone, porque eu não vou! rs -s

domingo, 7 de fevereiro de 2010

A Casa do Chapéu

Desde pequena sempre fui muito pentelha. Irritava aos montes e qualquer outra pessoa que passasse por mim, especialmente minha querida mãe. E sempre depois de alguma brincadeira ela sempre vinha com a mesma expressão:
- Ai filha, vai ser chata assim lá na casa do chapéu.

E era sempre a mesma coisa. A Casa do Chapéu. Mas onde era essa casa? Como era? E eu nunca soube. Até que um dia normal, no meio de outras chatisses minhas, minha mãe soltou um:
- Thaís, vai me irritar assim lá na casa do chapéu, tá?
Até que cansada de viver com aquela dúvida perguntei:
- Mas mãe! Um dia você me leva nessa Casa do Chapéu?
- Levo filha, levo. rs.


E até hoje eu nunca fui na Casa do Chapéu. Ainda bem, rs.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Famosos que não são famosos

Eles têm milhões de fãs clubes, sites e comunidades demonstrando a paixão de suas jovens -q fãs a ele. Eles têm mais seguidores no twitter do que várias bandas por aí. Eles já foram capa de revistas e agora são capa de cadernos. Já foram perseguidos por um bando de meninas histéricas. Eles são os meninos do Vida de Garoto!
E quanto talento eles tem não? São bonitos, sabem tirar fotos bem e... escrevem sobre a vida deles. Nossa. Quanto potencial para três meninos tão novos! :O

Agora, sem mais enrolação e vamos direto ao ponto:

MENINA! POR QUE VOCÊ MORRE DE AMORES POR UM MENINO QUE NÃO FAZ NADA NA VIDA?

Acorda! Se eles fundassem uma ONG; se preocupassem com as crianças carentes ou agregar algo digno para a nossa cultura, tudo bem. MAS NÃO. Eles estão preocupados com o novo corte de cabelo deles e se o seu nome está no TTs. !
Então eu peço que você, menina esperta, pare de perder seu tempo mandando cartas a eles e vai mandar uma carta para alguém que se importe com você; pare de gastar seu dinheiro comprando bichinhos de pelúcia a eles e vai comprar um presente para o seus pais que cuidam de você; para de chorar porque eles te mandaram um beijinho e chore por quem realmente está precisando.

Vamos, acorde menina! Tem coisa muito melhor por aí.
Vamos, acorde colírios! Vocês não são famosos só porque são bonitos!

Por favor, não me matem, rs.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Agora, no colegial

Agora não tem mais aquela coisa de todos irem iguais e se confundirem em meio a tanta gente, cada um vai com a sua roupa como bem quiser: calça colorida, tênis neon e por aí vai. O que acaba se tornando mais um assunto para nós, lógico! Não acredito! Olha a roupa dela, será que ela pensa que vai pra praia?/Blusa bonita amiga (y) e por aí vão milhões de comentários, ninguém escapa. rere.

Agora não somos mais criancinhas. Temos que aprender a lidar com todo aquele processo que é a autonomia e responsabilidade. E toda essa coisa de discurso de professor do primeiro dia.

Agora o nosso tempo é curto. Duas vezes por semana presos naquele colégio estudando, estudando e estudando. Três vezes por semana enfiada com a cara nos livros enormes e com coisas extremamentes complicadas.

Agora eu estou no primeiro colegial. Menos tempo, mais coisas. É, muita coisa vai mudar.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

730 dias e 12 horas \o/

Sim, é hoje que com muito orgulho - rere - eu comemoro dois anos de blog! E quanta coisa aconteceram nestes dois anos.

Antes eu mal sabia o que era um blog. Tá, nem tanto. Pouco eu sabia de como escrever, o que fazer para conhecer outros blogs bons por aí, como deixar a página bonitinha e tal. Foi preciso um bom tempo para eu ir começando a entrar de verdade nessa ''blogsfera'', HAHAHA.
Mas com o tempo isso foi mudando, mais pessoas eu fui conhecendo e, sério, grandes amigos fazendo. E acho que essa foi uma das coisas que mais me impressionaram quando eu fiz o meu blog. Eu nunca fui muito de acreditar nessas amizade virtuais; achava besteira e perigoso. Mas eu vi que é totalmente o contrário. Existem pessoas incríveis por aí, e o melhor: que escrevem muito bem!

E assim eu fui e aqui estou como meu primeiro blog e que deu mais certo do que eu imaginei. Posso não ter o blog mais famoso do mundo e nem mesmo o que recebe mais visitas por dia, mas o que importa realmente é saber que existem muitas pessoas que vêem aqui e gostam do que eu escrevo e não tem presente melhor que esse. E isso não é puxa-saquismo nem nada. É só a verdade.