terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Destinário: Vida

Ele escrevia com pressa, seu coração acelerava cada vez que imaginava que o tempo não seria o suficiente, já estava cansado, mas foi forte e continuou.
O lápis ameaçava a quebrar sua ponta (quase) inexistente, rabiscava as palavras, não mais as desenhava, quanta ironia! para alguém que passara a vida tão tranquila e sistematicamente.
Os segundos pareciam mais rápidos do que nunca e uma angústia e até um certo medo cutucou seu peito, suas mãos já estavam doloridas e percebeu que a hora chegara, tão de repente!
A mesa estava uma bagunça, papéis amassados e canetas sem tinta por todos os lados, o oposto de como fora sua vida inteira, a não ser por um por um pequeno envelope perfeitamente dobrado.

"A vida, ainda sim, continua me surpreendendo cada vez mais, num dia a dia onde cada minuto era praticamente controlado e nenhum segundo era ousado o suficiente para escapar, a bagunça vem, e bate a minha porta trazendo com ela quem eu evitei a vida toda! Está difícil admitir, mas eu adorei (e estou amando) sentir o pulsar acelerado, ver as horas correndo para nunca mais voltarem e eu nada poder fazer.
Sempre dediquei horas para escrever poucos parágrafos de minhas histórias de (pouco) sucesso; mas não reservei nem poucos dignos minutos para desenhar o último (e mais importante) da minha própria história.
Se amanhã eu acordar, talvez rasgue essa imundice e ninguém saberá de sua existência. Mas a vida é como uma criança que adora pregar peças nos pais, e talvez, isso não aconteça, de qualquer forma eu estarei plenamente grato, por ela ter me proporcionado - mesmo que tão tarde - algumas rápidas horas de uma verdadeira ansiedade, alegria e até mesmo de adrenalina em meu coração."

6 comentários:

Jeniffer Yara disse...

A vida nos prega peças mesmo,e algumas delas nós amamos o/
rs

Beijo

July disse...

baah' mas tu escreves bem de mas ;D
gostei mesmo de tudo aqui'
continue sempre assim, tens futuro seu blog ^^

aah, se der passar aqui: só divulgando mesmo' vale a pena ver (:
http://leonarrdolima.blogspot.com/

Núbia :) disse...

Um dia eu ainda vou ter o mesmo modo de escrever como o seu. É lindo!

Flávia Campos disse...

que bom que essas palavras não foram rasgadas e jogadas fora.
gostei de poder ler!

mas, hein? acho que a paixão tá batendo, hein!
que desespero bom que dá quando isso acontece :)

bj, bj!

Renan Mendes disse...

Ansiedade, alegria e adrenalina fazem parte da vida. A calmaria também. Acho que essa é a graça em viver.

lovechips disse...

nossa adorei. é como se eu tivesse sentido estar na pele de quem escreveu, do personagem.
parabens